top of page

Zumbido

O zumbido pode ser definido como uma ilusão auditiva, ou seja, uma sensação sonora não relacionada com uma fonte externa de estimulação. A palavra tinnitus deriva do latim tinnire, significando tocar, zumbir. Na maioria dos casos, o zumbido é uma percepção auditiva “fantasma”, percebida apenas pelo paciente, característica que dificulta a investigação do problema. Pode parecer um chiado, apito, cigarra, cachoeira, panela de pressão ou, mais raramente, o barulho do coração batendo no ouvido ou alguns cliques ou estalos. Alguns ouvem o zumbido somente no silêncio ou quando prestam atenção em seus ouvidos; outros o ouvem o dia todo.

O zumbido é um sintoma – e não uma doença específica – o que significa que ele pode ter uma ou várias causas, como acontece com a febre ou com a dor de cabeça. Pode aparecer em qualquer idade, inclusive nas crianças, mas é mais frequente na terceira idade. Ocorre em cerca de 25 a 28 milhões de indivíduos no Brasil. Causas: Excesso de cera, infecções e lesões do ouvido são causas possíveis do problema. No entanto, muitos outros fatores que aparentemente não têm nada a ver com o sistema auditivo podem dar origem a esse sintoma. Desvios de coluna, alterações cardiovasculares, diabetes, disfunções da articulação da mandíbula e consumo excessivo de cafeína, álcool e tabaco são alguns deles. (Fonte: Biblioteca Virtual em Saúde/Ministério da Saúde)

Atendemos uma mulher com esse problema de zumbido, que conforme ela relatou começou de um dia para o outro e foi aumentando até lhe causar muito incômodo. Isso foi há cerca de cinco meses e de lá para cá ela consultou vários médicos e fez vários exames como audiometria, ressonância da cabeça, das articulações da mandíbula, de sangue, alguns mais de uma vez pois ele ia em outro médico e ele pedia novamente. Os exames não apresentaram nenhuma alteração. Para tentar resolver o problema ela já fez fisioterapia, acupuntura e quiropraxia. Segundo ela o volume do zumbido diminuiu, no início era muito forte, e agora está como um ruído de fundo , um chiado constante, mas ainda persiste. Para dormir ela usa um aplicativo sonoro para abafar o zumbido.

Investigando a causa do zumbido descobrimos que a mulher no astral levou, literalmente, uma porrada na cabeça. Uma pessoa próxima a ela foi hospitalizada, ela ficou abalada, e no astral foi tentar ajudar essa pessoa, que estava presa por um espírito no umbral, um sujeito estilo guerreiro bárbaro, muito forte, e esse espírito deu uma pancada muito forte na cabeça da mulher, a ponto da cabeça dela ficar reverberando como se fosse um sino. Esse espírito, que viemos a descobrir que era mesmo um bárbaro, um guerreiro viking, está há mais de 1.000 anos sem reencarnar e comanda uma área no umbral onde mantém seus inimigos presos.

Uma coisa interessante é que os espíritos que ele mantinha como prisioneiros pois eles estavam sentados em fila indiana, acorrentados, e faziam movimentos com as mãos como se estivessem remando num barco viking, provavelmente hipnotizados por ele imaginando que estavam em alto mar. Descobrimos que em sua última encarnação a mulher que atendemos era mãe desse guerreiro, que tinha um irmão mais novo que é a pessoa próxima a ela na vida atual que adoeceu. Haveria uma sucessão na liderança do clã e o guerreiro mais velho era o sucessor natural, mas a mãe e o irmão mais novo dele o traíram, ela deu uma bordoada na cabeça dele, que ficou atordoado com a pancada, e o irmão mais novo o apunhalou no peito.

Devido ao problema de saúde que o levou ao hospital, provavelmente envolvendo uso de drogas, o guerreiro bárbaro conseguiu prender o irmãozinho no umbral, a mãe sentiu isso devido a ligação que tem com o filho saiu no astral para socorrê-lo, embora na vida atual não seja filho dela e sim um parente colateral, por afinidade, e de 2º grau. O irmãozinho não estava mais preso, sua mãe conseguiu soltá-lo, mas o custo foi a porrada que levou na cabeça que lhe deixou com o ouvido zunindo. O viking mantinha cerca de 700 espíritos aprisionados no umbral, sendo que quase a metade, uns 300, eram pessoas encarnadas em desdobramento. Foram todos libertados e o viking foi encaminhado para reencarnação. Sobre o zumbido da mulher, é uma consequência kármica da pancada que ela deu no filho na vida passada que ele retribuiu agora, mais de mil anos depois. Foi feito um procedimento médico por nossa equipe espiritual para amenizar e nos informaram que vai sumir com o tempo.


941 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page