• Gelson Celistre

Mercadores da morte

Atualizado: 30 de nov.

Às vezes vamos fazer uma consulta que parece ser alguma situação corriqueira e nos deparamos com algo de grandes proporções. Foi o caso de uma professora que se incomodou com os alunos há alguns dias e acordou com os braços dormentes, a mão, e ela teve uma crise de pânico achando que iria morrer. A causa mais provável seria obsessão ou ressonância vibratória, mas ao sintonizar o médium com a consulente logo um espírito começou a reclamar dela.

O espírito estava indignado, disse que a professora chamou por ele e agora estava achando ruim. Perguntei quem ele era e o espírito respondeu: - Eu sou a morte! Eu disse a ele: - Que legal, há quanto tempo tu és a morte? É evidente que a figura da morte na crença popular só existe através da imaginação das pessoas, mas alguns espíritos plasmam essa forma para si mesmos.

Iniciamos um diálogo. A morte disse que tinha cerca de 170 almas que ela já levou e eu retruquei que era muito pouco pois morrem milhares de pessoas todos os dias e a morte disse que não tem apenas ele, que tem mais de mil mortes e cada uma pega aqueles que consegue, disse que a pessoa tem que chamar pela morte, aí eles conseguem pegar e que ele teve que se esforçar muito para poder estar nessa posição.

Conversando com a morte sobre sua última encarnação o espírito revelou que era dono de uma funerária em São Paulo e disse com orgulho que foi o primeiro a utilizar um veículo motorizado como carro funerário, enquanto seus concorrentes ainda usavam carroças. Mas ele não era natural do Brasil, era um italiano que imigrou para cá e disse que foi bem-sucedido no seu negócio.

Perguntei o que ele queria com essas almas que estava juntando e ele disse que negocia com quem quiser que alguém morra, até me ofereceu seu serviço, perguntou se eu não queria alguém morto. Geralmente ele negocia com pessoas que fazem trabalhos de magia e feitiços, mas o principal para ele é se alimentar da energia da morte, do momento em que as pessoas morrem, ele absorve a energia que é exalada no momento da morte. Esse espírito ficou assim por desejar a morte de outras pessoas quando era vivo, pois quanto mais morria gente mais dinheiro ele ganhava.

Encontramos mais de mil espíritos como ele, mortes, ao redor de todo o mundo, pessoas que lucravam com a morte de outras pessoas e depois de mortas seguiram com esse mercado macabro. No total esses espíritos, essas mortes, haviam aprisionado mais de um milhão de espíritos que utilizavam como mercadoria. As mortes morreram, pois apaguei a mente de todas, e foram encaminhados para reencarnação, assim como mais de um milhão de espíritos que eles negociavam.

Temos que ter cuidado com as coisas que dizemos ou pensamos quando estamos estressados, pois como já nos diziam os antigos, isso atrai coisa ruim.

488 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo