top of page
  • Gelson Celistre

Fertilidade (relacionamentos, pornografia)

A fertilidade sempre foi uma característica muito desejada por diversas culturas ao longo da história, tendo inclusive sido criados deuses da fertilidade em praticamente todas as culturas antigas. Como no início das civilizações a taxa de mortalidade era muito alta, é bastante razoável que se desejasse que as mulheres fossem férteis, pois a capacidade de sobrevivência de qualquer civilização estava atrelada à sua população, para uma civilização crescer tinha que ter mais gente, que gerava mais mão-de-obra e consequentemente mais riqueza. Até recentemente em praticamente todas as regiões rurais do mundo o costume era de se ter muitos filhos para ajudar os pais no trabalho da roça.

Fizemos um atendimento para um homem para tratar a questão de relacionamento amoroso, ele se queixava que todas as mulheres que ele escolhia para se relacionar, o tipo ideal para ele, o relacionamento não dava certo e ele sofria muito com isso. Quando recebeu o relatório do atendimento ele achou interessante e solicitou outro atendimento logo em seguida, desta vez para tratar o vício em pornografia, que ele refere ter desde os 11 anos de idade, sendo que ele está com mais de 30. Este caso é interessante porque os dois atendimentos se complementam e demonstram como a origem de nossos vícios podem ser antigas.

Na consulta para tratar os relacionamentos amorosos vimos que a origem do problema estava em uma vida passada recente, na qual o homem foi capturado na África e trazido para o Brasil como escravo. Em sua terra natal ele era o chefe de uma tribo na qual era considerado quase um deus, era cultuado por sua virilidade e toda mulher da tribo queria ter um filho com ele, era uma grande honra. Quando o capturaram na África sua tribo foi praticamente exterminada e os poucos que não foram capturados ou mortos tiveram que se misturar com outras tribos para sobreviver.

No cativeiro o chefe africano foi separado dos outros de sua tribo e acabou numa fazenda no interior do Brasil. Foi tudo muito rápido entre ele ser capturado e e trazido ao Brasil e ele não tinha noção de como era a vida dos escravos, ele ainda achava que se as pessoas aqui soubessem quem ele era que o libertariam e na sua inocência ele imaginava que se fizesse sexo com alguma das mulheres brancas elas agiriam como as mulheres de sua tribo, se apaixonariam por ele, e pediriam para os brancos o soltarem. Com essa ilusão em mente ele demonstrou para a sinhazinha a sua virilidade e pai dela, o dono da fazenda, não gostou nem um pouco daquele negro tarado se atrever a desejar sua filha. O negro foi colocado no tronco e castigado até a morte para servir de exemplo aos outros escravos.

O problema nos relacionamentos estava sendo causado por um espírito obsessor, o dono da fazenda, que disse que não iria admitir que aquele negro tarado pegasse nenhuma mulher branca. Esse obsessor mantinha o consulente preso àquela frequência, ainda amarrado ao tronco e cada vez que um relacionamento dele não dava certo ele sentia como se estivesse morrendo novamente. A fazenda ainda existia no astral e além do dono, havia mais uns 150 escravos presos. Nós apagamos a mente desse obsessor e libertamos os escravos. Ainda resgatamos cerca de 200 outros escravos que morreram na mesma viagem de navio que trouxe o negro tarado para cá.

A aldeia onde o negro era o chefe ainda existia no astral e havia lá 57 dos súditos dele esperando sua volta, também foram resgatados e essa frequência foi fechada. Um fato interessante é que esse homem sonhou que tirava duas cartas no Tarot dos Guardiões e saiu o Exu Tiriri e o Exu Sete Velas. Pesquisando sobre o Sete Velas ele encontrou nosso site.

No segundo atendimento para tratar o vício em pornografia descobrimos que tinha a ver com a vida anterior que já havíamos tratado e com várias outras onde ele foi o chefe nessa mesma tribo ao longo de 5.000 anos. Essa tribo a qual ele pertencia tinha um costume de escolher um dos filhos do chefe ainda criança, o que seria o novo chefe quando o pai falecesse, e quando a criança atingia a puberdade, por volta dos 12 anos de idade, ele era submetido a um ritual de fertilidade que envolvia o feiticeiro da tribo e algumas mulheres que masturbavam o menino com o intuito de o tornar viril. Nesse ritual também era conectado ao menino um espírito masculino tarado, para que ele tivesse muito desejo sexual.

Esse espírito que foi acoplado a ele naquela vida passada ainda estava com ele, por isso sua compulsão sexual que envolvia muita masturbação. Esse espírito vampirizava o homem através do sexo pois toda a energia desprendida no momento do orgasmo ia para esse espírito. Além dele e também vampirizando o homem estava o feiticeiro que oficiou o ritual de fertilidade. Os dois tiveram a mente apagada e foram encaminhados para reencarnação. O feiticeiro ainda estava conectado com mais 53 espíritos que passaram por esse ritual desde que começou há cerca de 5.000 anos naquela tribo africana.

A título de curiosidade esse feiticeiro teve umas 20 reencarnações em 5.000 anos, o que é um número muito pequeno e ele conseguiu isso por ser feiticeiro em conseguir voltar sempre para essa frequência através da qual vampirizava os homens que passaram por esse ritual com ele, dos 53 que estavam conectados a ele 28 estão encarnados atualmente e ele os vampirizava, o homem que atendemos era um deles. Já esse homem que atendemos foi chefe nessa tribo em 16 encarnações.

No fundo tanto o problema nos relacionamentos quando o vício em sexo podem ser relacionados com essas vidas todas nas quais ele foi criado para ser o homem viril da tribo, uma espécie de reprodutor de uma linhagem de elite, era o chefe da tribo e era visto quase como um deus. A origem de nossos problemas e vícios geralmente remonta a vidas passadas e nesses casos a apometria é uma ferramenta muito eficiente para os tratar.

300 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ostara

bottom of page