• Gelson Celistre

Fogo do inferno (alergia)

Atualizado: 25 de nov.

Hoje já acordei com dor de cabeça e quando fomos fazer os atendimentos agendados descobri o motivo. A situação parecia simples, temos uma cliente que vamos chamar de José Maria que tem uma alergia que se manifesta na pele quando ela come alguma comida com alho, ela comeu e a alergia apareceu. José Maria tem uma fragilidade kármica na pele devido ao karma de vidas passadas que já trabalhamos antes e tinha resolvido, mas como ela tem essa fragilidade um descuido sempre puxa mais coisas e foi o que aconteceu, ela comeu algo com alho e a alergia ressurgiu.

Nesse caso tem um agravante que foi o desejo de uma ex-funcionária dela que desejou muito que José Maria queimasse no fogo do inferno. A ex-funcionária já mandou fazer trabalhos de magia contra José Maria antes, mas agora foi apenas o desejo dela que atraiu um outro espírito que também já desejou isso para José Maria numa vida passada, que ela queimasse no fogo do inferno.

Um espírito encarnado se conectou com outro espírito desencarnado no tempo e no espaço pelo sentimento que ambos tiveram de que José Maria queimasse no fogo do inferno e o estopim para que desencadeasse nela uma crise alérgica foi o alho, porque na vida passada na qual José Maria conheceu esse outro espírito que desejou que ela queimasse no fogo do inferno esse espírito também era funcionário de José Maria, que tinha um pequeno negócio de vender comida na rua.

Naquela vida José Maria era um homem que não gostava de alho e o cozinheiro colocava alho de propósito na comida para irritar o patrão, pois este era muito grosseiro e gostava de humilhar o cozinheiro. Enquanto ouvia as reclamações e xingamentos do patrão o cozinheiro apenas mexia a comida enquanto fumava seu cigarro e nada dizia, mas mentalmente desejava muito que o patrão estivesse ardendo no fogo. Interessante que José Maria desde que está com a crise alérgica relata estar sentindo cheiro de cigarro.

Esse cozinheiro está morto há muito tempo e estava numa região muito densa no astral que era um inferno de fogo, fazendo o que sabia fazer que era cozinhar, e José Maria estava lá em desdobramento sendo queimada viva. Nesse local havia uma quantidade imensa de estacas fincadas no chão com pessoas amarradas nelas sendo queimadas vivas. Imagine uma grande planície com mais de 30.000 fogueiras com pessoas sendo queimadas vivas, a maioria gritando de dor, outras já inconscientes, uma cena dantesca. Cuidando dessas fogueiras todas havia apenas 20 cozinheiros e quem absorvia a energia das pessoas e as devorava era um único espírito, que vamos chamar de Chongli.

Chongli está sofrendo um processo de transformação devido ao tempo em que faz isso, quase dois mil anos, ele está se transformando num mostro parecendo um caranguejo gigante, com várias patas e garras. Nesse tempo ele reencarna periodicamente para refazer seu corpo astral, geralmente morre ainda bebê ou é abortado, fica apenas o tempo suficiente para se fortalecer. Esse espírito antes de começar a fazer isso há quase dois mil anos morava na China, numa região montanhosa e meio desértica, era uma pessoa comum, mas teve uma crise psicótica certa vez e as pessoas da região acreditaram que ele estava possuído por um demônio e que a solução era queimar ele vivo.

Enquanto ardia nas chamas de uma fogueira ele amaldiçoou os que o queimaram e jurou com muito ódio que iria fazer o mesmo com cada um deles. Depois de morto perseguiu a todos e conseguiu prender no astral um por um, e os mantinha queimando numa fogueira. A sensação de prazer vendo essas pessoas queimaram era tão grande que o alimentava e ele começou a consumir esses espíritos, absorver toda a energia deles enquanto queimavam. Ele estendeu o ódio dele a todos que viviam naquela região onde ele morou e foi morto, mesma região onde o cozinheiro e José Maria viveram muitos séculos depois.

Chongli ao longo do tempo criou uma conexão mental com a ideia de queimar as pessoas e quando alguém deseja fortemente que outra pessoa queime no fogo do inferno pode acabar se conectando com ele e a pessoa amaldiçoada pode acabar nesse inferno de fogo. E por incrível que pareça muita gente deseja isso para outras pessoas e nesses quase dois mil anos Chongli já devorou milhões de espíritos. Abaixo da planície com as fogueiras havia mais de três milhões de ovoides, espíritos que já foram devorados pelo fogo do inferno que alimenta Chongli.

Dos mais de 30.000 que queimavam nas fogueiras cerca de 7.000 eram espíritos de pessoas vivas, pessoas encarnadas que estavam lá desdobradas, todas sofrendo algum efeito em seus corpos físicos. Os milhares de espíritos nas fogueiras foram resgatados e também os ovoides. Os cozinheiros, incluindo o de José Maria, assim como o Chongli, tiveram a mente apagada e vão ser tratados num hospital para posterior reintrodução no ciclo reencarnatório.


287 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tabagismo

Baal