top of page
  • Gelson Celistre

Até que a morte os separe! Será?

Atendemos uma mulher com as seguintes queixas: "Desde o falecimento do meu esposo a 9 anos atrás eu tenho picos depressivos, ao qual me sinto extremamente cansada e sem forças para fazer qualquer coisa. Muitas vezes ainda sonho com meu ex esposo me dizendo que não morreu, que foi um engano. Durante esse período de viuvez eu já tentei algumas vezes ter outro relacionamento, mas todos se afastaram... Quando vivo meu ex marido era muito possessivo e me queria apenas para ele.... Eu além da minha depressão ainda possuo a tendência a ter tumores pelo corpo. A 10 anos eu retirei um da perna direita, em novembro desse ano retirei um da mama direita. A cada dia que se passa eu sinto como se estivesse definhando. Tenho dificuldades para me alimentar, para dormir. Não consigo encontrar um propósito na minha vida, parece que algo me prende, me segura e já não sei mais o que posso fazer." O marido dela morreu de falência múltipla dos órgãos após uma cirurgia para retirada de parte do intestino devido ao câncer.


Para nós que lidamos com esse tipo de situação rotineiramente ficou evidente apenas pela descrição que ela fez que o marido morto ainda estava vivendo com ela. Não é a primeira vez que nos deparamos com esse tipo de situação, algo relativamente simples de se resolver, pois basta encaminhar o espírito do marido. Fiz o espírito incorporar num médium e conversei com ele, perguntei se ele sabia que estava morto e ele respondeu que estava vivo. Fiz ele ver os procedimentos de sepultamento dele, mas ele disse que inventaram que ele estava morto para não falarem mais com ele, disse que a esposa deve lealdade a ele, enfim, um caso típico de um espírito que não aceitou a morte e quer continuar vivendo como se estivesse na dimensão física, quer controlar a esposa, não sai da casa e não deixa que a mulher a venda, não permite que ela se relacione com outros homens e, para piorar, ainda estava passando para ela a energia ruim que ele tinha, que gerou nele o câncer. O esquecimento é o melhor remédio, apagamos a mente dele e o encaminhamos para um hospital no astral.

Nisso foi mostrado à médium que já tem várias vidas que esse casal se encontra e sempre nessas condições, ele um marido muito possessivo, em algumas vida tratando a mulher até como uma escrava, e então dei um comando para o médium rastrear uma vida mais antiga dos dois, para ver o motivo dessa mulher estar sempre se ferrando, ou seja, para descobrir o que ela fez para ele no passado. O médium viu uma vida muito antiga deles numa região da Europa, antes da era cristã, na qual essa mulher fez um ritual na floresta para um deus qualquer com o intuito de conquistar um certo homem, que ele a desejasse, para que ele não pudesse viver sem ela, para sempre (o bendito para sempre!). Claro que o homem que ela queria tanto naquela vida há mais de dois mil anos é esse mesmo que ainda estava enfeitiçado por ela, a ponto de não querer se separar nem após a morte.

Pedi ao médium para ver qual espírito recebeu a oferenda dela no ritual, se era algum deus do amor ou coisa parecida, mas o que apareceu foi uma fada, uma linda fadinha como nos contos de fada, era bonitinha, corpinho delgado, tinha asinhas e usava uma saia curta, parecia a Sininho do Peter Pan. Se apresentou para a médium como um espírito da floresta e disse que a moça na ocasião lhe ofereceu flores, frutas e mel no ritual e ela aceitou e os uniu, tão bem feito que estão unidos até hoje, mais de dois mil anos. Joguei uma energia na fada e ela se transformou numa mulher normal. Perguntei a ela porque se mostrava com essa aparência e ela disse que era porque gostava, era uma feiticeira na última vida que teve naquela cultura da moça e depois de morta assumiu essa forma de fada e ficou por ali atendendo os desejos de quem fazia oferendas na floresta.

A fada disse que precisava de muita energia para se manter com essa forma e por isso tinha que estar conectada com pessoas encarnadas a quem ela já prestou favores, como essa moça e o marido, que ela vampirizava há muitas vidas. Além desse casal ela estava conectada com mais de mil pessoas encarnadas que no passado já recorreram a oferendas na floresta pedindo alguma coisa e que ela atendeu o pedido. A fada teve a mente apagada, foi desconectada dos encarnados de quem tirava energia e vai voltar ao ciclo reencarnatório. Depois de me deparar com tantos casos onde um dos cônjuges morre e não vai embora, ainda quer continuar casado mesmo depois de morto, me pergunto se a pessoa que colocou a frase até que a morte os separe na cerimônia de casamento não tinha esse tipo de situação em mente.

445 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page