top of page

O comerciante inglês

Atualizado: 27 de fev. de 2023

Atendemos uma mulher com a queixa de ter sonhos de teor sexual, chega a acordar mas dorme novamente e volta para o mesmo sonho, e acorda cansada. Ela fez uma outra terapia onde teriam visto uma vida dela de prostituição num navio negreiro então começamos verificando se essa afirmação era verdadeira e de certa forma até tinha. Essa mulher numa vida passada foi uma negra africana que foi caçada e trazida como escrava para o Brasil por um comerciante inglês no século XVI. O comerciante inglês era muito ambicioso, conseguiu algum dinheiro e partiu da Inglaterra para a África onde organizou uma expedição de caça e participou ativamente da captura de escravos. Essa mulher naquela vida era muito bonita e já foi abusada pelos marinheiros no navio negreiro, quando chegaram ao Brasil o comerciante inglês ao invés de a vender para alguma lavoura ficou com ela e a obrigava a se prostituir, só que ele é quem ficava com o dinheiro.

O comerciante inglês se estabeleceu na Bahia e na cidade onde morava era um homem muito importante, principalmente devido ao serviços que seus escravos prestavam na cidade, pois ele vendeu um lote de escravos mas ficou outro que trabalhavam para ele, que fornecia todo tipo de bem ou serviço que a pessoa desejasse, era muito ardiloso. Ele ficou aqui no Brasil até morrer e depois de morto continuou no astral negociando. Ele no astral logo descobriu que a moeda lá era a energia, diversos tipos, e começou a fornecer para outros espíritos o que eles queriam e tinham dificuldade de conseguir, trocando uma coisa pela outra, e seu império foi crescendo.

Essa mulher que atendemos ele sequestrava o espírito dela durante o sono para extrair dela sua energia sexual, que podia ser retirada ao vivo, ou seja, um outro espírito interessado fazendo sexo com ela, ou simplesmente ordenhada como se fosse uma vaca leiteira. Mas ele não negociava apenas energia sexual, ele fornecia drogas, fumo, álcool etc. Ele tinha 19 silos no astral com energias diversas que ele negociava com outros espíritos. Tinha mais de 200 espíritos trabalhando para ele, número que pode aumentar dependendo da demanda. Como estamos na semana de carnaval muitos dos clientes dele estão pegando energia direto com os foliões, em outras épocas tem muito mais espíritos trabalhando para ele.

O local onde ele armazena a energia tinha até um campo de força ao redor, o que justifica porque do lado de fora havia cerca de 2.000 espíritos querendo pegar esses energias. Quando estivemos no local havia 28 mulheres encarnadas sendo vampirizadas sexualmente, mas as vezes chega a ter 70. Descobrimos através desse comerciante inglês mais 54 locais como o dele ao redor do mundo, onde comerciantes roubam energia dos encarnados e comercializam, todos com essa mesma estrutura de silos armazenando energia. Um mercado negro para comércio de energias. No total esses comerciantes de energias movimentavam mais de 125.000 espíritos, sendo que em torno de 20% eram pessoas encarnadas de quem roubavam energia. Todos esses complexos foram destruídos, as energias foram dispersas, e os espíritos envolvidos foram presos e serão realocados em corpos físicos em breve.

O comerciante inglês que sequestrava a mulher que atendemos, na verdade ele mandava outros espíritos a pegar pois ele era o chefe, está sem reencarnar desde aquela vida, uns 400 anos, vivendo com a energia roubada de pessoas encarnadas. E ele tinha um plano para reencarnar em breve numa família muito rica, para isso ele usava esses espíritos com quem negociava energias, para encontrar espíritos com ligação kármica com famílias ricas e poderosas, criava laços com esses espíritos para conseguir nascer numa dessas famílias. O plano era bom, mas ele teve o azar de ser descoberto e agora ele vai reencarnar onde o karma dele o situar, e vai ser numa situação bem ruim. Quanto à mulher que atendemos agora ela não será mais sequestrada durante o sono para ter sua energia sexual sugada.

490 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Pesadelos

Comments


bottom of page