top of page

Duas Marias

Hoje atendemos dois casos em que as mulheres, duas Marias, que não conseguiram superar a morte de seus maridos. Uma das Marias é viúva há pouco tempo, a morte do marido foi há pouco mais de um ano, a outra Maria perdeu seu marido há sete anos. O que elas tinham em comum além do nome é que os maridos estavam grudados nelas. Em ambos os casos os falecidos estavam com a mente em estado de torpor, sabiam que algo estava diferente e que possivelmente estavam mortos, mas não queriam aceitar e achavam que ainda poderiam voltar a viver. Essa situação do espírito após a morte é muito comum, muitos no fundo sabem que morreram, mas relutam em acreditar e fantasiam para eles mesmos que pode acontecer alguma coisa e e eles voltarão à vida.

A Maria que é viúva há mais tempo é septuagenária e está em depressão profunda e com início de demência, era obcecada pelo marido e junto dela havia o espírito de uma outra mulher, uma carola. Quando essa Maria conheceu o falecido ele era noivo de uma outra mulher, eles tiveram um envolvimento e ela fez uma simpatia nas escadarias de uma igreja pedindo que ele largasse a noiva para ficar com ela. O espírito da carola estava na frente da igreja, viu o pedido dela e resolveu ajudá-la, pois em vida essa carola sofreu uma desilusão amorosa e se refugiou na religião, nunca se casou e vivia na igreja. A carola estava morta há mais de 100 anos, morreu de ataque cardíaco, foi obliviada por nós e encaminhada para reencarnação.

Mas o casamento dessa Maria foi recheado de traições da parte do falecido, chegaram a se separar por um tempo, mas depois voltaram a viver juntos, e ela logo no início do casamento mandou fazer um trabalho de amarração, um feitiço para os manter juntos para sempre. O falecido tinha problemas cardíacos que o levaram à morte. Por conta do trabalho de amarração o falecido estava de frente para ela, grudado nela, e havia um fio energético os ligando pelo coração, devido ao feitiço feito por uma mulher que jogava búzios, que matou um casal de pombos. tirou o coração deles e amarrou junto. Quando cortamos o fio a mulher que fez o feitiço apareceu, era cigana, disse que o trabalho foi muito bem feito e que não era para nós desfazermos, detalhe, ela já está morta e atualmente trabalha como guia de uma mulher que frequenta o candomblé. Também foi obliviada e encaminhada para reencarnação.

A outra Maria, viúva mais recente, está sentindo dores pelo corpo, desconfiam de fibromialgia, e começou depois de cerca de um ano da morte do marido, que também morreu de problema cardíaco, mais uma coisa em comum entre as duas Marias, e também estava grudado nela. Nós os desgrudamos, o adormecemos, pois ele ainda achava que não estava completamente morto e que poderia voltar a vida, e encaminhamos para um hospital no astral. Quando o retiramos a médium observou que havia um corte longitudinal no peito dessa Maria e no meio a carne dos dois lados estava afastada para o lado, como se tivessem aberto para retirar alguma coisa, indício claro de algum ritual onde se tira o coração de alguém.

Rastreando a origem descobrimos uma vida passada muito antiga dessa Maria e seu marido, há cerca de 5.000 anos, em que eles viviam numa civilização andina onde hoje fica localizado o Chile. Para obter prosperidade e fartura eles ofereceram em sacrifício ao deus que cultuavam seu primeiro filho, ainda bebê. O sacerdote que oficiou o ritual abriu o coração do bebê e retirou seu coração, que foi oferecido ao tal deus. Esse sacerdote ainda estava conectado com os pais das mais de 600 crianças que ele sacrificou para esse deus e vimos que foi ele quem causou a morte do marido da Maria por o estar vampirizando pelo coração e o mesmo aconteceria com ela caso não o tivéssemos prendido e apagado sua mente. No astral ele ainda mantinha aprisionados cerca de 400 espíritos de bebês que ele sacrificou. Encaminhamos a Maria em desdobramento para um hospital no astral.

Mas embora esse sacerdote não soubesse, pois ele depois de morto passou a se achar um deus, a entidade para a qual ele ofertou essas crianças, o deus que eles adoravam, é quem realmente vampirizava as pessoas e ele também. Esse sacerdote reencarnou várias vezes mas sempre era puxado para essa frequência pelo deus que eles cultuavam, esse bem mais antigo que ele e que mantinha aprisionados mais de 10.000 espíritos no astral, que foram todos libertados e ele foi obliviado. Duas Marias viúvas, dois maridos mortos por problemas cardíacos. Uma mulher que morreu de ataque cardíaco e dois corações de pombo ligados a uma das Marias e o coração de um filho sacrificado ligado a outra. Não importa quanto tempo leve, tudo aquilo que fizemos acaba voltando para nós, de um jeito ou de outro.

184 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Polacas

bottom of page