top of page

O ataque dos dragões - Capítulo I

(Publicado originalmente no blog Apometria Universalista em 10/4/2011)


Há algum tempo estamos sofrendo ataques sistemáticos de entidades sombrias, incomodadas com nossas ações no mundo astral. Isso é normal de ocorrer e até já nos acostumamos mas depois da queda de Erzig as retaliações se intensificaram, causando muito desgaste físico nos médiuns, queda na imunidade, e provocando desde dores e mal-estares diversos até doenças que os incapacitam de exercer usas atividades normais (trabalhar, estudar, etc.). Na semana anterior à dos acontecimentos que motivaram esse relato já havia ocorrido uma semana onde todos haviam passado muito mal e depois de atendermos os consulentes fomos averiguar o que estava ocorrendo conosco.

Naquela reunião nos vimos todos desdobrados em um local sombrio, ajoelhados, e atrás de cada um de nós havia um ser que vamos chamar de draconiano, eles eram altos e magros, vestidos com mantos negros com capuzes que lhes escondiam o rosto, mas suas mãos os médiuns puderam ver bem pois elas estavam cravadas em nossas costas, bem no meio da coluna, e através delas estavam nos injetando um líquido peçonhento. As mãos desses seres eram como garras, com dedos compridos e com unhas longas, a pela era escamosa e verde como a de um réptil.

Logo que identificamos essa frequência nós os paralisamos e tratamos de investigar se tinham relação com algum atendimento recente (havíamos nos deparada com uma organização nazista no astral) ou se era outra coisa. Descobrimos que era outra coisa. A equipe espiritual nos informou que era um ataque de retaliação por conta do resgate de Erzig. As entidades trevosas acharam que aquilo "foi demais" e que deviam acabar conosco. A ideia deles era a de que o grupo acabasse e estavam tentando de tudo para fazer isso, tentando evitar que os médiuns comparecessem às reuniões, lhes incutindo pensamentos de que estar ali não lhes trazia nenhum benefício e sim malefícios como dores sem explicação, pesadelos, cansaço extremo, etc.

Aproveitei a presença desses seres, que eram de uma organização "forte" no astral e, rastreando sua frequência, adentramos em outra cidade umbralina e a resgatamos. Era uma cidade muito grande, e com muitos prédios longos e sombrios, como uma cidade futurista. Nos dias seguintes à essa reunião os ataques foram mais fortes ainda. Uma das médiuns nem conseguiu ir trabalhar um dia por ter passado a noite anterior lutando contra entidades trevosas. Nessa mesma noite outros médiuns também foram atacados e eu inclusive fui acorrentado (em desdobramento) à parede de uma caverna na subcrosta.

Como a próxima reunião que teríamos era para atendimento interno, resolvemos contra-atacar nesse dia. Quando se acende uma vela na escuridão ela incomoda as trevas, que faz de tudo para apagá-la. Se engana quem acha que por estarmos trabalhando para o bem estamos livres de qualquer ataque. Uma ou duas vidas tentando corrigir nosso passado sombrio não irá nos transformar em anjos e nem criar uma redoma de luz ao nosso redor. Temos muitas brechas ponde onde as trevas podem nos acessar e nossos "inimigos" as conhecem e exploram muito bem.

Na reunião de atendimento interno que se seguiu a esses eventos estávamos dispostos a enfrentar abertamente a falange que nos atacava e assim o fizemos. Ao abrirmos nossa frequência nos deparamos com todos nós sentados ao redor de uma mesa redonda, com a cabeça caída para a frente, como se estivéssemos desfalecidos. Acima dessa mesa flutuava uma enorme esfera, de onde flúía um líquido vermelho gosmento que era injetado em nossos corpos astrais através de tubos. Abaixo dessa mesa havia alguns bonecos de vodu nos representando e num andar abaixo um laboratório nazista. O líquido que nos injetavam era retirado por outros tubos que iam para dentro desse laboratório.

Destruí a esfera e o líquido gosmento que havia dentro dela se espalhou pela mesa mas continuávamos desfalecidos ao redor dela. Somente depois que queimamos os bonecos de vodu e que invadimos o laboratório nazista e destruímos o que havia lá é que pudemos ser retirados daquela situação e fomos levados pela nossa equipe espiritual para o hospital. Pode parecer estranho mas podemos estar desdobrados em mais de uma frequência no astral, é como se houvesse mais de um de nós mesmos. Estávamos desdobrados ao redor daquela mesa sendo vampirizados e ao mesmo tempo estávamos lá nos salvando daquela situação.

65 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Pretinha

bottom of page